Médico professor da UPE em Garanhuns fará especialização no Canadá

Foto: Arquivo pessoal

A partir de julho de 2022, o cardiologista Felipe Falcão vai trocar o frio de Garanhuns por temperaturas um pouco mais baixas em Hamilton (Canadá). Professor adjunto do curso de Medicina da Universidade de Pernambuco (UPE) no campus da cidade do Agreste, ele ficará um ano na província de Ontário fazendo um curso de especialização na McMaster University. Com graduação e doutorado feitos na UPE, Felipe teve o currículo avaliado e foi entrevistado de forma online pela equipe médica da instituição canadense. Ele foi comunicado da aprovação duas semanas depois.

“Será um ano de estágio. A vaga é para treinamento em uma área da cardiologia intervencionista", explica Felipe, que coordena atualmente a comissão do internato médico no campus Garanhuns. A universidade canadense é uma das mais conceituadas do mundo em medicina baseada em evidência. Ele vai se dedicar ao treinamento de um implante de uma válvula específica no coração, procedimento que ainda não tem cobertura no Brasil pelo Sistema Único de Saúde (SUS). 

Felipe Falcão graduou-se em Medicina na Universidade de Pernambuco em 2006. Concluiu mestrado na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) em 2013, mesmo ano em que entrou para a UPE como professor assistente. O doutorado em Ciências da Saúde na UPE foi obtido em 2019. Além da parte acadêmica em Garanhuns, ele atua também no Memorial São José Rede D’Or São Luiz e Hospital das Clínicas da UFPE, ambos no Recife.

Professor de Aracaju vence Programa de Mestrado Profissional em Educação Física da UPE

Foto: Arquivo pessoal

O professor Fábio Fontes de Oliveira, que ensina Educação Física na Escola Estadual Professor Francisco Portugal, em Aracaju, teve o seu livro “O Jogo no I Ciclo do Ensino Fundamental: unidade didática visando à aprendizagem dos estudantes" contemplado com a 1ª colocação no Programa de Mestrado Profissional em Educação Física em Rede Nacional (ProEF), núcleo da Universidade de Pernambuco (UPE).

A obra é fruto da dissertação de mestrado, que teve como propósito investigar a aprendizagem do conteúdo Jogo nas aulas de Educação Física no ciclo de sistematização da identidade dos dados da realidade.

De acordo com o professor, o livro originou-se de planejamento, pesquisa e trabalho pedagógico, enquanto atividades que requerem tempo para serem realizadas com qualidade social ao atuar em sala de aula. Foi materializado com uma intervenção na escola, oriunda de uma pesquisa-ação, sistematizada numa unidade didática de 60 horas-aula, destinando 20 horas-aula para cada turma do 1º, 2º e 3º anos do ensino fundamental, tendo como culminância um festival intitulado “Jogos e brincadeiras do nosso país: o Brasil”.

Ele explica ainda que os resultados demonstraram que os estudantes do 1º ano do ensino fundamental deram início à formação de representações sobre o jogo e brincadeiras. Já os alunos do 2º ano ampliaram as representações, e os do 3º ano deram um salto qualitativo, consolidando a formação de representações sobre o conteúdo.

Fábio Fontes destaca que o produto educacional é mais um referencial para que outros professores construam seus próprios documentos institucionais, não sendo um guia a ser seguido pelo professor, e sim, para orientar a prática pedagógica na Educação Física ao exercer a função social do ensino-aprendizagem. Em seu conteúdo estão presentes argumentos teórico-científicos oriundos da Pedagogia Histórico-Crítica, da Psicologia Histórico-Cultural e da Educação Física Crítico-Superadora, além dos elementos didáticos necessários para materializar o ensino, visando à aprendizagem do Jogo em aulas de Educação Física. 

“O Produto Educacional não tem como objetivo servir de cartilha ou manual para os professores no desenvolvimento do conteúdo Jogo, mas sim retratar uma realidade e despertar possibilidades para sua inclusão com base em uma ação bem-sucedida no trabalho educativo. Todavia, os professores poderão ressignificar o trabalho conforme a realidade do seu contexto”, afirmou. Ele destaca ainda que “a pesquisa no âmbito escolar contribui para o entendimento e superação das problemáticas na Educação Física, contribuindo na luta incessante por uma educação revolucionária com vistas à libertação do pensar e agir centrados nas igualdades de oportunidades para um mundo mais justo”.

A diretora da Escola Estadual Professor Francisco Portugal, Marise Rabelo dos Anjos, declarou que é um orgulho muito grande saber que os alunos foram inspiração para o trabalho do professor Fábio Fontes. “Todas as escolas deveriam ter um exemplar deste livro. No dia da culminância das práticas, todos os alunos se envolveram e participaram das atividades. Nós atendemos a alunos com necessidades especiais que têm certa dificuldade para praticar atividades lúdicas e concentração. Esses alunos se envolveram de uma forma que até os pais ficaram surpresos. Algumas pessoas não percebem a importância dessas práticas. Elas são um momento de extravasar as energias e, principalmente, de socialização. No momento dos jogos e brincadeiras é quando os alunos mais aprendem, pois estão liberando suas energias”, declarou.

(Seduc)

Edupe amplia oferta de livros gratuitos para leitura durante pandemia

Cinquenta livros em formato e-book podem ser baixados gratuitamente no site da Editora Universitária de Pernambuco (Edupe), vinculada à Universidade de Pernambuco (UPE). São publicações nas áreas de engenharia, saúde, odontologia, biologia, zoologia, educação, história, geografia, empreendedorismo e segurança do trabalho. É preciso preencher apenas um cadastro para fazer o download.

Os livros representam uma parte da produção científica de professores e alunos em conclusão de curso. O catálogo de obras gratuitas pode ser acessado através deste link: http://edupe.com.br/menu.php?cate=10

A decisão de ampliar a oferta gratuita de livros publicados pela Edupe foi tomada em abril deste ano, em virtude do início da quarentena e do distanciamento social.

Aluna de Letras da UPE usa linguagem digital para ajudar candidatos ao Enem

Foto: Arquivo pessoal

Aos 19 anos, Marcela Karollayne, aluna de Letras do Campus Mata Norte, tem uma missão a cumprir: ajudar outros jovens a realizar o sonho de ingressar em um curso superior. Moradora do Ibura, no Recife, e bolsista do programa PE no Campus, ela concilia sua nova vida acadêmica na Universidade de Pernambuco (UPE) com a produção de conteúdo para quem vai enfrentar o desafio do Enem.

Criado no Instagram em fevereiro de 2019, o perfil Study.neo já tem 12,3 mil seguidores oferecendo aulões, revisões e palestras com professores voluntários. A produção de vídeos resultou na criação de um canal no YouTube.

Um aplicativo totalmente gratuito, contendo todas as provas do Enem, além de resumos e videoaulas, foi lançado em agosto para ajudar os estudantes. O projeto é incubado no Porto Social, centro de soluções para projetos sociais do Recife.

“No início foi bastante difícil, porque eu postava todos os conteúdos durante o vestibular. Quando entrei na UPE, meus estudos em Nazaré da Mata eram focados em Linguagens. Atualmente, a equipe de voluntários me ajuda nessa questão”, explica.

Antes da pandemia, Marcela aproveitava os intervalos de suas aulas para elaborar material para o projeto criado por um grupo de amigos. Ela afirma que um impacto positivo da quarentena foi a maior procura por conteúdo digital. 

Colombiana que fez doutorado na UPE vence Prêmio Mercosul

Uma ex-aluna estrangeira da Universidade de Pernambuco (UPE) foi contemplada, em concorrência pública internacional, com o prêmio Mercosul de Ciência e Tecnologia na categoria “Integração”. A colombiana Tania Niño Sandoval concluiu, em fevereiro deste ano, o doutorado em Odontologia na área de Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial. Durante os quatro anos do curso na Faculdade de Odontologia de Pernambuco (FOP), ela se dedicou a modelos de predição que resultassem em técnicas de aprendizagem automática para aplicação em cirurgias. Por conta da pandemia de Covid-19, o Ministério de Ciência e Tecnologia (MCTI) definirá um evento virtual de premiação. Tania receberá R$ 40 mil.

Durante a sua permanência na UPE, Tania foi orientada pelo professor Belmiro Vasconcelos, dentro do Programa de Doutorado em Odontologia da FOP. “Estamos felizes, porque um prêmio como esse enaltece a nossa instituição, fortalece a internacionalização tão valorizada no contexto atual e motiva professores e alunos na busca constante pelo trabalho de qualidade”, afirma Vasconcelos.

A UPE recebe estudantes estrangeiros através do programa Grupo Coimbra de Universidades Brasileiras (GCUB), que concede  bolsas de estudos integrais para cursos de pós-graduação stricto sensu (Mestrado e Doutorado) a estudantes oriundos dos 34 países-membros da Organização dos Estados Americanos (OEA).  São selecionados estudantes de alto nível acadêmico, com trajetória de liderança e com elevado potencial de impacto em seus países de origem. Esses profissionais vivenciam o intercâmbio científico e cultural, por meio da mobilidade acadêmica, e retornam aos seus países de origem com a missão de contribuir para o desenvolvimento socioeconômico da sociedade em que estão inseridos.